N

Neste blog por vezes escreve-se segundo a nova ortografia, outras vezes nem por isso.


quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

CARRILLO? O SUPER-AGENTE RESOLVE!

Fulanizar é algo injusto no futebol, podendo mesmo tornar-se cruel na hora do insucesso, mas há problemas que sendo por demais evidentes, não podem ser ignorados.

No Benfica versão 2016-2017 há um problema chamado Carrillo.

Não será certamente o único nem provavelmente o maior mas trata-se de um equívoco gigantesco que, ou muito me engano ou um destes dias estoira nas mãos do treinador.

Já se percebeu que Rui Vitória está a fazer tudo para não deixar cair o jogador; começa porém a pressentir-se o fim da linha para Carrillo.

Sem espontaneidade, alegria ou velocidade, Carrillo parece um corpo estranho na equipa e quando entra em campo significa quase sempre que passaremos a jogar com menos um.

Ao que consta, o alegado custo zero importou em qualquer coisa como 10 milhões de euros: muito dinheiro, de facto.

Também por isso, Rui Vitória vai tentando segurar o jogador na esperança de um qualquer clique naquelas pernas perras ou naquela cabeça que parece estar a milhas de um campo de futebol.

Ontem na Luz, assistiu-se a um primeiro esboço de assobiadela colectiva ao peruano, perante mais uma perda de bola inexplicável.

Quer-me parecer, pois, que Carrillo chegou mesmo ao fim da linha e a solução só poderá passar pela venda.

Eis, pois, uma óptima oportunidade para pôr à prova as excelsas e nunca por demais elogiadas capacidades do super-agente Jorge Mendes, capaz ao que se diz de transformar em ouro tudo aquilo em toca.

Ou será que o tal super-agente apenas sabe vender os Renatos Sanches desta vida?


RC 

LIÇÃO OU DEPRESSÃO?


O Benfica passou aos oitavos da Liga dos Campeões e, não há volta a dar, é um saldo extremamente positivo.  Podemos até fazer uma analogia com o resultado na Turquia. O Benfica empatou em casa do Besiktas e, sem ver o jogo, não podemos afirmar que o resultado foi negativo. Já agora, ainda acrescento, o Benfica perde um jogo para o campeonato, ao fim de 10 meses, nas condições que vimos, objetivamente também não é nenhuma tragédia.

O problema é que assistimos aos jogos e a visualização de um jogo de futebol é tudo menos objetivo. Não é a mesma coisa empatar 0-0 ou 1-1 ou estar a vencer por 3-0 e em meio hora deixar-se empatar. No futebol, a hora de futebol total que demonstramos na Turquia, antes da meia-hora de descalabro, não serve de crédito.

O que vi ontem foi um Nápoles imensamente superior ao Benfica. Em todos os capítulos do jogo. Nomeadamente no aspeto técnico, tático e físico. Na segunda parte, houve momentos que parecia uma equipa de juniores contra uma de seniores. Uma má noite da equipa? Influencia de conhecerem o resultado do Dínamo ao intervalo? Talvez.

Porém, o mais preocupante é que já tínhamos assistido a esta falta de intensidade na Madeira, com os jogadores insulares, menos dotados tecnicamente, a chegar sempre primeiro aos lances e a ganhar a maioria das bolas divididas.  

Um jogo por vezes ganha-se por milímetros ou por segundos. Se os nossos remates são demasiadas vezes parados pelos pés dos adversários, se a percentagem de passes falhados é assustadora, se os outros chegam mais vezes primeiro à bola, as nossas hipóteses de ganhar descem significativamente.

 JL

sábado, 3 de dezembro de 2016

RESSUSCITANDO ALMAS PENADAS


Deixem lá o árbitro, as faltas não assinaladas, o anti-jogo do Marítimo, as rábulas das substituições, as lesões simuladas, a brotoeja, cãibras e bicos de papagaio que de repente assolaram os jogadores madeirenses.
Nada disto é novidade para nós ou pelo menos não o deveria ser. Há décadas que é assim e assim continuará, nada de novo sob o sol.

Do que se trata verdadeiramente é que o Benfica falhou golos ridículos, sofreu golos ridículos (como em Nápoles, como em Istambul…), foi incompetente, negligente, atabalhoado, trapalhão.

Negar isto ou vir com teorias da conspiração é tapar o sol com a peneira: perdemos um jogo que não podíamos perder e nem sequer empatar.

Curar uma série de moribundos e ressuscitar umas quantas almas penadas que por aí vagueavam à toa: eis o verdadeiro resultado do jogo desta noite.

RC

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

NOJO

A última jogada foi o resumo do jogo. O árbitro dá amarelo a um jogador por queimar tempo na marcação de um pontapé de baliza. O jogador sai, o guarda-redes chuta e acaba o jogo quando a bola vai no ar. Há coisa mais ridícula que isto?
De resto, um jogo contra o azar e contra duas equipas nojentas. Desta vez perdemos. Como disse o Luisão: “fomos parados de várias formas”.

JL

AINDA HÁ COISAS QUE NOS COMOVEM

JL

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

NOS: BOM NEGÓCIO APENAS PARA ELES?


Pelos idos de Julho durante um jantar com apoiantes à sua recandidatura e creio que até mais tarde em pleno período pré-eleitoral, Vieira frisou a necessidade de “clarificar o contrato com a NOS”.

Mais do que fazer comparações sem sentido com o contrato que a mesma entidade assinou com a agremiação do Campo Grande, é exactamente isso que esperamos do presidente: clarificar e esclarecer.


De tudo isto e muito para lá da poeira que cirúrgica e estrategicamente o Record lança para o ar, espero  que o Benfica não tenha sido “enrolado” num negócio lucrativo apenas para ELES, mas sobretudo que uma vez mais não nos tenhamos metido na boca do lobo, perdendo a liberdade e a independência que como, aliás, Vieira bem sabe, tanto nos custou a ganhar.

RC

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

A BIPOLARIDADE, DOENÇA INFANTIL DO BENFIQUISMO


Imaginemos que o jogo desta noite em Istambul tinha terminado aos 60 minutos.

Com 3-0 e uma exibição perfeita (seguramente das melhores dos últimos anos), a nação benfiquista viria abaixo com tanta euforia.
Rui Vitória ver-se-ia alcandorado a uma espécie de Bella Guttman do século XXI, os jogadores incensados como dignos sucessores de Eusébio, Torres, Coluna, Simões e José Augusto, a comitiva seria provavelmente recebida em delírio no aeroporto e Cardiff estaria a dois passos independentemente de quem nos surgisse no caminho.

Acontece que os jogos terminam aos 90 minutos mais o respectivo tempo de compensação como, de resto e infelizmente bem sabemos.

Ora, nesses restantes 30 minutos aconteceu de tudo um pouco: o Benfica falhou o 4-0 e a possibilidade de matar o jogo, foi recuando, foi-se encolhendo, sofreu o 1º golo em fora-de-jogo (lamento mas não conheço “ligeiros" fora-de-jogo; ou está ou não está e este estava...), sofreu o 2º numa clamorosa infantilidade de Lindelof e claro sofreria o 3º noutra trapalhada da nossa defesa.

Acresce que as substituições não foram felizes: quem entrou nada trouxe de novo e de positivo à equipa.
Acontece a quem tem de tomar decisões mas claramente é bem mais fácil acertar no Placard depois do jogo.

Pois bem, depois destes 90 minutos em que quase tocamos o céu para quase nos despenharmos no inferno, veja-se o que por aí vai em termos de comentários.

Rui Vitória, o Guttman dos primeiros 60 minutos, não passa afinal de um treinador de 2ª, tacticamente fraquíssimo, sem estofo nem capacidade de gerir o jogo, 
Quanto aos bravos descendentes de Eusébio e Cª, uma desgraça: há  os que não sabem, os que não podem, os que se cansam por tudo e por nada, os que  entraram já cansados ou que não deveriam, sequer, ter entrado. 
Pelo meio há ainda quem peça o afastamento do presidente, um must nestas ocasiões festivas em que a "moca é afiada" para uma bela sessão de bordoada.

Infelizmente, o Benfica também é isto e não, não se trata da paixão excessiva de uma massa associativa exigente a habituada a ganhar.
Trata-se isso sim, de uma bipolaridade absurda e estúpida, enraizada num completo desconhecimento do que é o futebol e num sentimento bem português: a intriga, a ignorância, a maledicência pura.

O Benfica, este Benfica não era seguramente a melhor equipa da Europa nos primeiros 60 minutos como não foi ainda mais seguramente uma equipa de coxos e inúteis, liderada por um incompetente no último terço do jogo.

No curto espaço de 90 minutos fizeram-se coisas muito boas que nos colocaram à porta dos oitavos de final e cometeram-se erros fatais que acabaram por nos penalizar, adiando tudo para a última jornada.
É apenas disso que se trata e não sendo pouco, não creio que seja motivo para de repente tudo e todos questionar, passando uma vez mais do oito para o oitenta ou neste caso, do oitenta para o oito.


RC

segunda-feira, 21 de novembro de 2016

UMA RESERVA INESGOTÁVEL


Li em algures que os nossos vizinhos do Lumiar têm uma reserva inesgotável. Sempre que pensamos que já vimos tudo, eis que nos conseguem surpreender. A imagem que se segue é da capitã da equipa de futsal feminino do Sporting durante um time out. Vale por mil palavras.
 

JL

quarta-feira, 16 de novembro de 2016

ÓDIO, APENAS ÓDIO


Pela primeira vez na minha vida vi a Sportingtv.

Qual Inácio, aproveitei um link e espreitei dois, três minutos, não mais que isso do jogo de andebol desta noite.
Inenarrável, só visto.

Locutores aos urros e grunhidos em histeria completa e após um golo do Sporting, uma visão da bancada com o Querido Líder aos murros no ar como se tivesse ganho a Champions no último minuto.

Seja andebol, futsal ou chinquilho, por aquelas bandas o ódio anda no ar.
Tudo isto começa a ultrapassar em muito os limites de uma normal, lógica e histórica rivalidade desportiva.

O ódio está à solta, e, desenfreado já nem se insinua: omnipresente, pressente-se, sente-se, ostenta-se.
É bandeira, fonte de inspiração e toque a reunir. 

Cada golo, cada vitória, cada comunicado, cada escarradela são apenas isso: manifestações de um ódio em estado puro e irracional. Grotesco e animal. 
Mais que nunca, o ódio ao Benfica é o cuspo que os cola. 

Tudo isto só pode acabar mal mas para jé e acima de tudo é uma enorme tristeza termos que partilhar a cidade, a vida, o futebol, o desporto com esta gente.


RC

segunda-feira, 7 de novembro de 2016

A SÍNDROME DA PONTE


Quem tem entre 45 e 50 anos recorda bem o martírio que significava para os então jogadores do Porto atravessar a Ponte D. Luís.
Dizia-se que era aí que o Porto, por melhores equipas que tivesse, começava a perder os jogos, sempre que se deslocava a Lisboa e sobretudo ao Estádio da Luz.
Atravessar a ponte era o inicio da deslocação à Luz e consubstanciava todos os medos e fobias próprios de um clube pequeno e provinciano.

Curiosamente, passados todos estes anos, a “síndrome da ponte” parece ter atingido o Benfica e não há meio de nos vermos livres dela.
Encerrada a era do apito dourado e dos esquemas mafiosos que durante décadas lhe proporcionaram o domínio do futebol, o Porto não passa de um clube moribundo bem à imagem do seu presidente que finge não se aperceber que não passa de um Salazar cuja cadeira se partirá mais tarde ou mais cedo.
Entretanto, o Benfica avançou rumo ao futuro, reconquistando o seu verdadeiro lugar na hierarquia do futebol português.
Temos hoje uma estrutura profissional sem comparação em Portugal, melhores jogadores e melhor treinador.

Pois bem, o bloqueio mental de jogar agora no Dragão como antes nas Antas mantém-se.
Com Rui Vitória agora como com Jesus (e de que maneira!) anteriormente, só para mencionar os últimos treinadores campeões pelo Benfica.

Vejamos o panorama até às 18H de ontem: pese embora uma onda inusitada de lesões, temos uma equipa mais sólida, melhores jogadores, melhor treinador e uma tranquilidade assegurada por 5(!) pontos de avanço sobre o Porto. Sabemos todos que, aconteça o que acontecer, sairemos do Porto em 1º lugar.
A diferença está apenas em saber se aniquilamos o moribundo o se o ressuscitamos.
Pois bem, uma vez mais vemos um Benfica entre o encolhido e o envergonhado que quase se deixa encurralar por um Porto que mesmo jogando no limite, é apenas aquilo.

O Benfica à semelhança de outros Benficas de tantos anos no passado, parece uma equipa algo atarantada: não ousa, não consegue sair a jogar, não consegue seguer controlar o jogo deixando-se quase dominar por uma equipa banal que parece apenas acreditar mais e ser mais rápida.

E é isto: passados todos estes anos e terminada definitivamente uma era, este estranho bloqueio mental mantém-se: o Benfica, este Benfica vai à Allianz Arena e encara o todo-poderoso Bayern nos olhos para depois se encolher perante um qualquer Porto.
O mesmo Benfica que vai a S. Petersburgo meter no bolso a arrogância de Vilas Boas, aflige-se e ataranta-se perante a equipa do rabiscador Nuno Espirito Santo.

Saíram jogadores importantes, faltam jogadores fundamentais?
Tudo verdade mas não creio que com eles as coisas mudassem muito como, de resto, quase sempre aconteceu no passado recente.

Vai sendo tempo do Benfica se libertar deste bloqueio mental, desta espécie de síndrome que mais parece uma sina ou maldição.
A ponte, o raio da ponte é apenas uma passagem para a outra margem e nas Antas, no Dragão ou em qualquer estádio do País, a norte ou a sul há algo que não muda: somos Benfica.


Podemos, evidentemente, perder ou fazer um jogo menos conseguido mas ao entrarmos tolhidos pelo receio, pelo peso da história ou por qualquer outro motivo, estaremos sempre muito mais longe de vencer.


RC



sexta-feira, 28 de outubro de 2016

A FOTO IMPOSSÍVEL NA FESTA DO VOTO


Eleições no Benfica são sinónimo de festa, participação, militância e fervor clubista.

Sempre foi assim até em tempos mais distantes quando dávamos lições de democracia a uma país que vivia asfixiado pela ditadura.

Dia de festa, portanto e ontem não se fugiu à regra.

Há, porém, limites e das duas, uma: ou o povo benfiquista endoideceu de vez ou os infelizes que alegremente posam para a foto, confundiram o ladrão ensebado com algum galã de telenovela da TVI.




RC

quinta-feira, 27 de outubro de 2016

A TELMA MONTEIRO ESCOLHEU


Escolheu o reconhecimento, o futuro, a dignidade. Daqui a 5, 10, 15 anos, Telma vai ser vista por todos os portugueses, sejam de que clube for, como uma briosa atleta, a melhor de sempre na modalidade. Não será um Paulo Sousa desta vida. Provavelmente terá a sua escola de judo como sempre sonhou. Terá ainda outros projetos, porque o futuro é longo e não acaba aos 35 anos. No presente conseguiu um abrigo, uma âncora. Outros desbaratam este capital por mais uns zeros na conta bancária.

JL

QUEM SERÁ O RESPONSÁVEL PELAS MODALIDADES?


A grande dúvida que paira após as eleições de hoje é quem será o responsável pelas modalidades do Sport Lisboa e Benfica. Mas se essa é uma dúvida que certamente será dissipada nos próximos dias, a pergunta que se devia fazer é como é que uma lista vem a eleições sem os pelouros definidos ou pelo menos conhecidos dos sócios. No caso das modalidades, e pelas declarações de Fernando Tavares hoje à noite, não está mesmo definido que ficará com a essa área. Será uma gestão a duas mãos? Esta indefinição poderá ter consequências nada positivas num setor que tem sofrido uma enorme pressão externa.  Uma liderança forte e competente não tem de necessariamente ser totalitária. E no caso do Benfica começam a aparecer alguns tiques.  Atenção. A carneirada é no outro lado.

JL

DA PARANÓIA (PURA E DURA)







A paranóia, também denominada pensamento paranóico (ou paranóide), consiste numa psicose caracterizada pelo desenvolvimento de um pensamento delirante crónico, lúcido e sistemático, provido de uma lógica interna própria, sem apresentar alucinações.

Nesta patologia, o indivíduo desenvolve uma desconfiança ou suspeita exacerbada ou injustificada de que está sendo perseguido, acreditando que algo ruim está para acontecer ou que o perseguidor deseja lhe causar mal.
Acredita-se que a etiologia dos pensamentos paranóicos resida em certos factores, como:
Factores genéticos;
Factores bioquímicos;
Stress.
A paranóia pode ser discreta, com o indivíduo ajustando-se socialmente, ou pode ser tão severa que o indivíduo torna-se incapacitado. As paranóias podem ser divididas em três categorias principais. São elas:

Distúrbio paranóide de personalidade;
Distúrbio delirante paranóide;
Esquizofrenia paranóide.
Distúrbio Paranóide de Personalidade
Indivíduos com este tipo de paranóia tornam-se desconfiadas sem motivo, em tal intensidade que seus pensamentos paranóicos podem destruir sua vida profissional e pessoal. Dentre as características presentes nestes indivíduos estão:

Desconfiança;
Hipersensibilidade;
Frias e distantes.
Distúrbio Delirante Paranóide
O factor que caracteriza este tipo de paranóia é a presença de um tipo de delírio persistente e não bizarro, com ausência de qualquer outro tipo de sintomatologia de distúrbio mental.

Cinco tipos distintos de delírio podem ser observados neste distúrbio paranóico:

Delírio da grandeza ou megalomania;
Delírio persecutório (perseguição);
Delírio do ciúme;
Delírio erótico;
Delírio hipocondríaco.
Esquizofrenia Paranóide
Comportamentos e pensamentos paranóides compõem uma forma de esquizofrenia denominada esquizofrenia paranóide. Pessoas afetadas por este tipo de paranóia comumente são acometidas por delírios altamente bizarros ou alucinações, quase sempre sobre um determinado assunto. Costumam ouvir vozes que os outros não ouvem ou acham que seus pensamentos estão sendo controlados ou propagados em voz alta. Além disso, a relação com a família e no ambiente de trabalho vai se deteriorando, e em muitos casos, sem expressão emocional.



Com a devida vénia a site da especialidade, a Travessa do Alqueidão assume os sublinhados, reservando-se, porém o dever de não fazer comentários em matéria tão especifica e sensível.

Apenas uma justificação relativamente a um item não sublinhado: o delirio erótico. 
Podendo ser observado neste tipo de patologia, entende-se que seria demasiado penoso para nós e para os nossos leitores imaginar os delirios eróticos de gente como o Bruno e o Saraiva, o Octávio e o Barroso, o Dias Ferreira e o Oliveira e Costa.


RC

quarta-feira, 26 de outubro de 2016

LEILOEIRA DO CAMPO GRANDE? NÃO, OBRIGADO!


Sobre o estado das modalidades e sobretudo a sua sustentabilidade no pós-Bruno de Carvalho, é assunto a que voltaremos em breve.

O que espero não aconteça é ver o Benfica envolvido em leilões, seja por quem for.

Cento e doze anos de uma história ímpar e recheada de glória também nas modalidades, por força de nomes como José Maria Nicolau, Guilherme Espírito Santo, Venceslau Fernandes, António Ramalhete, António Leitão, Carlos Lisboa e tantos outros, não poderá nunca ser beliscada sequer por qualquer leilão em praça pública, lançado e alimentado por um desesperado incendiário-aprendiz-de-presidente que pratica uma política de terra queimada.

Que o faça em relação ao seu clube, é lá com ele e com a sua carneirada e de resto até lhe agradeço: quanto pior, melhor.


Do Benfica, tratamos nós e é isso que todos esperamos dos nossos responsáveis.


RC   

segunda-feira, 24 de outubro de 2016

MENINO DE OURO



Resultado de imagem para fotos renato sanches formação     


Golden Boy para o Tuttosport e para a Europa do futebol, menino de ouro para nós, para os seus, para o povo Benfiquista que o viu chegar, crescer e vencer.

Vítima de uma campanha sem precedentes no futebol português, Renato a tudo resistiu, deixando a sua marca no inesquecível 35.

Uma força da natureza, uma alma imensa, jogador puro, intenso, imenso: à Benfica, claro! ainda que hoje vista outras cores.

Menino que soube ser Homem na hora da saída, não esquecendo o clube que tudo lhe deu e lhe permitiu chegar onde chegou.

Prometeu regressar.
Porém, regressando ou não, será sempre um dos nossos.


Parabéns, Renato! 

Resultado de imagem para fotos renato sanches campeao


RC

domingo, 23 de outubro de 2016

A SÉTIMA DE DOIS MIL E DEZASSEIS


Sete supertaças coletivas. Aqui está a essência do clube.  



JL

ROMA VAI PAGANDO A TRAIDORES (POR ENQUANTO...)

A apresentação de Nélson Évora na agremiação do Campo Grande coincidiu, curiosamente com uma notícia que passou despercebida a quase todos: mais a norte e para o jogo contra o Arouca, Maxi Pereira não foi convocado por opção técnica.

Aparentemente, estes dois factos nada têm em comum nem existe qualquer relação entre eles.
Aparentemente, apenas.

Esta gentalha que trai cobarde e miseravelmente, cuspindo no prato em que comeu, esquece uma coisa elementar: deixaram de ser dos nossos e não serão nunca um deles.

No Benfica passaram a simples nota de rodapé, ao optar despejar a história e a glória na mesma sanita onde verteram dignidade e gratidão.
Por lá, passado o folclore da apresentação e da novidade não deixarão nunca de ser vistos como corpos estranhos e como mercenários e reles traidores de que efectivamente não passam.

Mini Pereira é já passado e felizmente viu o 35 de longe.

Quanto a Évora, já estava acabado como atleta de elite e provou agora que também como homem, já teve dias bem melhores.


RC

RICO, MAS SEM ABRIGO


Já não é primeira vez que Nelson Évora troca de clube. Em 2002 já tinha saída para o FC Porto, mantendo-se por lá dois anos. Naquela altura era apenas uma esperança e apesar de formado na Luz, não era ainda um potencial ícone do clube, nem tinha lugar de destaque no Museu que não havia. Na época o atletismo do Benfica não era o projeto promissor que é hoje e não ganhava campeonatos às dezenas. Ir para o Sporting agora não é o mesmo do que ir para o Porto em 2002.

Nelson Évora vai ganhar para o Sporting essencialmente dinheiro. O dobro, dizem. Perde a ligação a um clube que sempre o apoiou. E aqui a palavra “sempre” ganhar contornos mais elevados. O atleta teve maus momentos físicos, lesionou-se com gravidade, esteve preste a abandonar, mas nunca foi abandonado.

Para 2020 faltam 3 anos. Se Évora for aos próximos Jogos Olímpicos será um atleta de 36 anos. Terá eventualmente a conta bancária mais recheada. Isto se ainda houver atletismo no Sporting. Contudo, olhará para o resto da vida, que se espera ainda longa e verá que nunca será recebido com a honra de campeão na Luz, em Alvalade ou mesmo no Dragão. Um sem abrigo.

Quanto aos clubes, o Sporting aparenta pretender acabar com o projeto do Vieira de construir o Lar dos Atletas. Já o Benfica, deve continuar com o seu projeto, no qual o veterano Rui Silva e a sua escola de formação do Cartaxo parecem encaixar bastamente bem.
JL

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

EINSTEIN VEZES ONZE


No que diz respeito à Liga dos Campeões e aos jogos fora, o Benfica fez das melhores exibições dos últimos tempos. Massacrou o adversário? Longe disso. O Dínamo foi inofensivo?   Nem pensar, Ederson foi dos melhores em campo. Então? Teve uma enorme personalidade. A forma como abordou o jogo, como incutiu as suas fraquezas e realçou os pontos fortes e essencialmente como geriu as dinâmicas da partida. O futebol é inteligência em movimento, hoje estiveram 11 "Einsteines" em campo equipados de vermelho, ou melhor, 14.
JL

domingo, 16 de outubro de 2016

CADA ÉPOCA TEM O SEU OLA JOHN


Pois, parece que assim é.

Sejamos, porém pacientes, dando tempo ao tempo: é sempre complicado com jogadores que vêm de clubes pequenos.

 Resultado de imagem para fotos carrillo benfica




RC

sábado, 15 de outubro de 2016

TONI


                        Resultado de imagem para fotos antigas toni benfica




Foi muitas vezes mal-amado, injustiçado, ofendido até por uma massa associativa tão entusiasta quanto cruel.

Filho da casa, pagou por isso: lembravam-se dele apenas em tempos de vacas magras.

No Benfica e pelo Benfica foi mal tratado. Traído até.

E no entanto, esteve sempre presente quando o Benfica dele precisou.

Depois de falsos Messias desperdiçarem dinheiro, arruinando e despedaçando equipas, cabia inevitavelmente a Toni colar os cacos.

Deu sempre a cara sobretudo nos maus momentos, assumindo sobre os seus ombros o insustentável peso de culpas e erros alheios.

Ganhou e passou a número dois, voltou a ganhar e foi despedido.

Mais tarde, durante os anos do caos, voltou para um sacrifício anunciado.

Saiu como entrou: com a humildade e o desprendimento de que só os grandes são capazes.

Toni é assim, está-lhe na massa do sangue, não consegue ser de outra maneira.

Completou 70 anos, 35 dos quais profissionalmente ligados ao Benfica.

Simples estimativas numéricas, porém.

Toni é muito mais que os breves 35 anos em que no campo e fora dele deixou sangue, suor e lágrimas pelo Benfica.

Toni faz parte de uma curta galeria de heróis que foram, são e serão o Benfica, confundindo-se com o clube e com a sua Gloriosa história.

Sempre.

E para sempre.


                       

RC

DA MÍSTICA



segunda-feira, 10 de outubro de 2016

BASQUETEBOL: REFÉNS DE LISBOA?

O que aconteceu ontem em Vila Real foi, não tenhamos medo das palavras, absolutamente vergonhoso.

Não é a derrota em si que está em causa mas a forma como se perde.

Sem jogo de equipa, sempre em sofrimento e em esforço, sem capacidade de reacção nem de contrariar os pontos fortes da equipa adversária: este é o Benfica de Lisboa.

Como se tem visto nos últimos tempos, bastou o Porto regressar e investir de novo na equipa de basquetebol e a pretensa superioridade esmagadora do Benfica ruiu como um castelo de areia.
O Benfica de Lisboa é assim: forte perante os fracos e ainda assim tem dias.

Carlos Lisboa foi a maior figura do nosso basquetebol. Aconteça o que acontecer, teve, tem e terá sempre um lugar indelével na história do Sport Lisboa e Benfica. A camisola 7 lá está no pavilhão a perpetuar um nome e uma época.

Carlos Lisboa não tem, porém, condições para ser neste momento treinador principal do basquetebol do Sport Lisboa e Benfica e o pior que poderia acontecer era o Benfica ficar refém de Lisboa: seja do seu passado enquanto jogador, seja do das suas funções enquanto director-geral das modalidades.

Já todos entendemos que a questão não se resolve deitando dinheiro para cima do problema, leia-se contratando jogadores às carradas. Aliás, creio que teremos nesta altura um lote de jogadores bem mais equilibrado e forte do que na época passada, mas as pechas e as lacunas da equipa mantêm-se e, arrisco, manter-se-ão.
Também o alargamento da estrutura não é a solução: podem vir Carlos Seixas, Diogo Carreira ou mais uma mão cheia de adjuntos e secretários-técnicos que nada mudará. O problema está, evidentemente, a montante.

Urge, pois, fechar uma página no basquetebol do Benfica.

Carlos Lisboa prestou grandes e indeléveis serviços ao Benfica e ao seu basquetebol.

Está na hora de prestar outro de não menor dignidade nem importância: apresentar a demissão de treinador de basquetebol do Benfica e desta forma proteger-se, protegendo também o clube.

O treinador do basquetebol não pode ser aferido de forma diferente dos treinadores das restantes modalidades. Ou pode?

Tem, pois, a palavra o director-geral das modalidades.


RC



  

terça-feira, 4 de outubro de 2016

OS AMIGOS DE VIEIRA

Julho de 2009. Campanha eleitoral para a Direção do Sport Lisboa e Benfica. Bruno Carvalho, o nosso, coloca em causa a legitimidade e legalidade de Luis Filipe Vieira em candidatar-se. Interpõe inclusivamente uma providencia cautelar no Tribunal Cível de Lisboa. Bruno Carvalho considerava, talvez até com razão, que a demissão dos órgãos sociais em bloco correspondia a uma violação dos estatutos do Clube, pelo que, segundo o seu entendimento, Luís Filipe Vieira estaria impedido de se candidatar durante seis anos.
Contudo, num despacho emitido no dia das eleições, um juiz da 9.ª vara considerou não existir "qualquer título executivo judicial suscetível de ser executado" e multou Bruno Carvalho em cerca de 190 euros por "falta de prudência" no requerimento que pedia a execução da citação ao Benfica.
 
Resultado: apesar das propostas pífias de ambas as listas, a Assembleia Eleitoral regista uma das maiores participações de sempre, com mais de 20 mil votantes. Com um resultado Coreano, a lista de Vieira vence esmagadoramente com 92% dos votos.
 
Outubro de 2016. Vieira concorre sozinho às eleições. Provavelmente 92% dos benfiquistas nem percebeu ainda que vai haver eleições. Mas é por pouco tempo. Outro Bruno, que também com Carvalho no nome dá ordens à comunicação do seu clube para divulgar um comunicado, ao nível do melhor dos Monty Python, metendo-se de cabeça nas eleições…do Benfica. Não se percebe bem a estratégia, mas sobre quem será o maior beneficiado não restam dúvidas.  
 

JL

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

O RÉU AUSENTE

Escrevia o enorme Carlos Pinhão que em Portugal, as homenagens são sempre contra alguém.

Daí este breve post não pretender ser uma homenagem e muito menos contra alguém.

Nesta casa a vitória e a derrota são exercícios colectivos, não existindo a figura inchada e proeminente do pai da vitória nem a dos enjeitados filhos da derrota.

Há porém uma questão que não deixa de me martelar a cabeça, quer perante os erros defensivos crassos no jogo de ontem que em 8 minutos nos fizeram perder quaisquer aspirações, quer ainda em relação ao número inusitado de golos de bola parada que temos sofrido neste início de época.

Entre títulos, opiniões e comentários de uma imprensa ignorante e mal-intencionada e o habitual frenesim de muitos benfiquistas em rapidamente encontrarem um bode expiatório, o que iria por aí, caso Luisão estivesse a jogar?
Alguém tem dúvidas que nesta altura, o nosso capitão já teria sido linchado publicamente, dado como acabado para o futebol e responsabilizado por cada um dos golos que o Benfica sofreu ontem no San Paolo?


RC

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

QUANDO UM JOGO NÃO É TEU AMIGO, DEVE SER TEU PROFESSOR


Vestido de azul Celta, o Nápoles é uma equipa italiana dos pés à cabeça. Técnica QB, tática do mais evoluído que há e fisicamente irrepreensível. Já o Benfica, que até vinha com vontade, equipou com aqueles calções vermelhos que o afastam da glória como o Carrillo se afasta do jogo. Sim, eu reparei, eram de um vermelho Vigo e não de um branco Leverkusen. E isto faz toda a diferença. Também me pareceu a certa altura ver um rabo de cavalo à Paulo Madeira na cabeça do Lisandro. Pura Ilusão ótica. Aquilo hoje foi uma coisa de apenas 8 minutos. Um desacerto. Um lusco-fusco. Os deuses reconhecem os audazes e sinceramente este plantel e este treinador não mereciam uma tragédia à Galego.  Assim, lá se fez justiça e coisa ficou com melhor aspeto.  Agora é olhar bem para o filme do acidente e pacientemente, com coragem e inteligência, mudar. E só não cito Giuseppe Tomasi di Lampedusa, porque já me chega de italianos por hoje.

JL

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

OTIMISMO PRECISA-SE


Não é só o hóquei em patins, campeão Europeu, com 32 golos sofridos em quatro jogos, três derrotas seguidas, e para já, um troféu a voar, são também as dificuldades dos juniores, a derrota caseira dos iniciados, a crónica secundarização do andebol e a sensação de inferioridade precoce no futsal. Acresce que o insucesso nos campeonatos transatos de basquetebol e voleibol não nos deixa uma boa sensação inicial. Se juntarmos a esta má impressão, a existência de uma série de modalidades que continuam com dificuldades para respeitar os pergaminhos competitivos do clube, como é o caso, por exemplo, do ténis de mesa e do rugby, começamos a pensar que não há uma equivalência direta entre o otimismo económico-financeiro que o responsável financeiro transmitiu esta semana na antena 1 e um eventual otimismo desportivo dos associados que acompanham o clube para além do futebol. Não tencionando colocar em causa o desejado equilíbrio financeiro, nem querendo que o Benfica se lance em loucas aquisições como outros, desejaria um pouco mais de equilíbrio nas várias áreas do clube no que ao otimismo diz respeito. É que pode ser só impressão, mas sou só eu que noto algum desleixo ou excesso de confiança?
JL

sábado, 17 de setembro de 2016

O FUTURO E O PRESENTE



Já muito se falou dos sete sub 23 que entraram de início no último jogo do Benfica. O inédito da situação ganha ainda mais relevância por se tratar de um jogo da Liga dos Campeões. Se juntarmos a esta onda de juventude o facto da nossa equipa B ser a mais jovem de todos os campeonatos nacionais e de inesperadamente estar a iniciar muito bem a época, podemos concluir que o Benfica está a preparar-se, de forma irrepreensível, ao nível dos recursos, para ser competitivo durante muitos e bons anos.    
Olhamos, portanto, para o futuro. Contudo, o futuro é sempre contra nós, pois sempre que olhamos demasiado para o futuro estamos a descurar o presente. Então, temos a chamada pescadinha de rabo na boca. Cegamos perante o presente e perdemos futuro.
Ao invés, os nossos rivais do lado apostam tudo no presente. Nem sempe foi assim. Possivelmente poucas alternativas lhes restavam atualmente se não um grande salto em frente, tentando sobrevoar o precipício, sem cair no abismo. Como chegaram a este ponto? Como aguentaram tantos anos no deserto? Exatamente com a conversa do futuro. Durante anos e anos, a academia, a melhro formação do mundo e arredores, os craques jovens que “despontavam” jogo a jogo em Alvalade, as vendas anuais, justificaram as décadas de insucesso desportivo.
E nós? Como chegámos aqui? A ser tricampeões e a fazer aquisições de jovens promissores, a continuar competitivos e a jogar com sete sub 23? Porque ganhámos o presente. Porque deixámos de ter a ânsia e a urgência de ganhar, o que nos conduz mais facilmente…à vitória.
Nós temos a estratégia correta. Considerando a forma como o negócio do futebol se desenvolveu nos últimos anos só a aposta em jogadores jovens mantém o clube sustentável e competitivo a nível europeu. O talento é caro e só muito precocemente é que podemos aceder a ele.
O desafio é este. Parece contraditório, mas não é. Ganhar o futuro sem perder o presente. Por isso este campeonato é importante. Por essa razão não podemos ficar com as vitórias morais de ter a equipa mais jovem. É música para adormecer. Os três pontos e a liderança da classificação é que são sinónimos de sucesso. O resto só no futuro.   

JL


quinta-feira, 15 de setembro de 2016

PARA GONÇALO GUEDES E CELIS

Resquícios certamente dos tempos da Inquisição, poucas coisas excitam mais um tuga do que um bom e útil culpado.
O culpado é uma coisa óptima e prática, dando um jeitão que haja pelo menos um sempre disponível para ser imolado ou fustigado no pelourinho da praça ou no Santo Ofício da opinião pública.

Após o golo de Talisca aos 93 minutos, afadigamo-nos todos em descobrir um culpado: alguém que pudéssemos fustigar com escassa piedade, aliviando-nos a tensão daqueles últimos minutos e a frustração pelo improvável e injusto empate.

Dois nomes saltaram de imediato para a mesa do tribunal: Gonçalo Guedes e Celis.

Algures pela blogoesfera benfiquista, um iluminado inquisidor sugeriu mesmo a Celis o regresso imediato à Colômbia, com indicação precisa de horários e voos de ligação.
Enfim, um fartote.

Mais a sério: inacreditável como não temos a menor contemplação em destruir aquilo que mais deveríamos proteger, ou seja, a nossa equipa, os nossos jogadores. O Benfica.
Gonçalo Guedes não podia ter falhado aquele golo aos 85 minutos ?
Pois, estou plenamente convencido que o Gonçalo Guedes com a frescura de 5, 10,15, 20 ou 30 minutos não o falharia mas após 80 minutos de um jogo enorme de luta e entrega em termos físicos e tácticos, tudo se torna mais difícil.

Celis deveria ter sido mais prudente e menos impetuoso ?
De acordo, mas um jogo de Champions aos 93 minutos não é propriamente um ambiente esterilizado e intocado de um laboratório (leia-se treino), ainda para mais para um jogador que entra a frio num jogo, estreando-se também na competição.

Gonçalo Guedes embora jovem, já tem uma vida de Benfica e provas dadas do seu potencial e das suas capacidades.
Celis é um jovem jogador que acabou de chegar e que ao estar ali mereceu, seguramente, a confiança do treinador e do clube.
Tentar destruí-los parece-me no mínimo um exercício de uma enorme estupidez.

Numa equipa mas sobretudo num clube com a história e a tradição do Benfica, sucessos e insucessos são de todos.
Bem recentes são os tempos em que tínhamos por ali alguém para ganaciosamente arrecadar os sucessos e para, de forma pronta e altruísta endossar as derrotas.

No Benfica actual não me parece que seja esse o espirito.

Quanto a Guedes e a Celis, continuam a contar com a nossa confiança e em breve se redimirão, contribuindo para novos sucessos e outras conquistas.

RC


quarta-feira, 14 de setembro de 2016

À VOLTA DE UMA NOITE EUROPEIA

Para lá da injustiça e da infelicidade de uma equipa brava mas inevitavelmente imatura, para além, muito além das declarações parvas de um moleque ingrato que se houver vergonha, amor-próprio e respeito pela nossa história, não mais vestirá a mítica camisola do Benfica, fica-me na retina as bancadas meio-vestidas (ou meio-despidas?) na Luz, um sector inteiro fechado, a Catedral longe muito longe das suas históricas noites de gala.

É isto o benfiquismo dos dias que correm: sócios e adeptos que exigem este mundo e o outro mas faltam quando a ausência deveria ser proibida.

Gente que desconhece ou não quer sequer saber que “noite europeia” era sinónimo de enchente, da presença de uma multidão vibrante, frenética, quase irracional na paixão pelo clube, construindo assim as mais belas páginas da sua história.

Foi assim, dizem-me, nos anos 60, foi assim, pude depois confirmar nos anos 70 e 80.

Desenganem-se, porém, os que pensam que o mito das noites europeias se construiu apenas com vitórias como os 6-0 em 1962 ao Nuremberga, os 5-1 em 1972 ao Feyenoord ou a noite no final dos anos 80 em que Vata enlouqueceu 120.000.

A história europeia do Benfica fez-se também de derrotas e eliminações absolutamente míticas, algumas delas dramáticas até: a eliminação por moeda ao ar perante o Celtic, as célebres eliminatórias com o Ajax, a noite em que Ian Rush destruiu a Luz, ou até uma vitória amarga perante um cinzento Carl Zeiss Jena que nos custou a presença na final da saudosa Taça das Taças.

Outros tempos: antes de tudo exigir a quem comanda o clube, os sócios e adeptos sabiam que aquelas noites de gala eram a essência da história e do mito do Benfica.

Verdadeiramente era naquelas noites de romaria em direcção à Luz que o Benfica se cumpria; o Inferno da Luz não era uma invenção folclórica de uma comunicação social alucinada ou subserviente: era apenas o Benfica.

Hoje, tudo é diferente: o benfiquismo exarcebado aparece ciclicamente no estádio quando faltam 5 ou 6 jornadas para o fim e cheira a festa.

A Champions é para ver de traseiro sentado no sofá no remanso do lar, pagando sem protestar a mensalidade à Sportv; se aparecer um dos tubarões do futebol europeu, então sim, enche o estádio e faz-se a festa, gritando à Europa do futebol o que é o Benfica e o inferno da Luz.

Sem querer dar lições de benfiquismo a quem quer que seja, seria bom que muitos dos sócios repensassem o Benfica que pretendem: se apenas o Benfiquinha para consumo interno, vítima da constante guerrilha invejosa e ressabiada de adversários menores, ou o verdadeiro Benfica, disposto a honrar uma gloriosa caminhada europeia iniciada num mágico fim de tarde no Jamor.

Enquanto não nos decidimos sobre o que queremos para o nosso clube, fica claro para mim como certamente para os outros 42.125 que lá estiveram ontem, que vamos à Luz para e pelo  Benfica; que o jogo seja da fase de grupos ou das meias-finais, que o adversário se chame Ludogorets, Linfield, Besiktas, Real Madrid ou Bayern de Munique é apenas um pequeno detalhe.    



RC


sábado, 10 de setembro de 2016

RAFA

Sempre gostei de jogadores assim: sem necessidade dos pomposamente chamados “períodos de adaptação”; chegam, veem e…jogam.

Recordam-se de Lima?
Também ele uma aquisição que suscitou algumas dúvidas e reticências, rapidamente as dissipou com a mais simples das receitas: futebol e golos.

Rafa tem tudo para ser um caso sério no futebol do Benfica e hoje com apenas um ou dois treinos, jogou, fez jogar e por duas vezes poderia ter resolvido o jogo.

Concordo, pois, com Vieira: mesmo por 18 ou 20 milhões seria uma excelente aquisição.

Ou muito me engano ou Rafa vai valer cada cêntimo gasto na sua aquisição.
Ou muito me engano e daqui a poucas semanas, a equipa do Benfica será Jonas, Rafa e mais nove.


RC

sexta-feira, 9 de setembro de 2016

A MUDANÇA

Mesmo perante uma defesa dizimada ou um quarteto de avançados simultaneamente no estaleiro, não há lamúrias, lamentações, desculpas parvas, invenções e adaptações idiotas e sem nexo.

Perante o infortúnio, procuram-se oportunidades e novas soluções, mostrando ao plantel que todos contam e que uma equipa é muito mais do que um núcleo imóvel de quinze ou dezasseis jogadores habitualmente presentes nas convocatórias.

É este o Benfica de Rui Vitória que da equipa B faz saltar jovens jogadores, sem o recurso a dramas de faca e alguidar ou manhosos truques de charlatão.

José Gomes pode apenas ser o próximo, tal como na época passada Ederson conquistou a baliza, Lindelof a defesa e o menino Renato assumiu com alegria, garra e um futebol do outro mundo, o comando de uma equipa rumo a um título tão merecido quanto inesquecível.

Pode não ser este este Benfica o tal rolo compressor, que joga no limite e numa espécie de voragem do tudo ou nada.
Adiante, porém: a vertigem ganha jogos; a serenidade, o planeamento e a convicção ganham campeonatos.

Se perante tudo isto, há ainda quem duvide de que o paradigma mudou mesmo, não sei o que será necessário para provar que uma era foi definitivamente encerrada e que algo de novo está a crescer no futebol do Benfica.

RC



quinta-feira, 8 de setembro de 2016

BENFICA LÍDER INCONTESTÁVEL


O Benfica é TOP a nível mundial em vários itens. Na organização, na competitividade, na amassa associativa, etc. Mas onde é líder incontestável, sem concorrência à altura, é nas lesões. Ultimamente temos sempre, no mínimo, um onze na enfermaria. Quem disse que o plantel era demasiado? Pelo sim, pelo não, o melhor é não descartarem já o Taarabt.
JL

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

NEM O SABEM FAZER


É a segunda parte da entrevista de fundo ao mestre da tática, e este, pela segunda vez, destaca …o Benfica. Podia pensar-se que o clube que atualmente lhe paga o chorudo ordenado, devido à sua pequena dimensão, não consegue apagar da memória do treinador o gigante que teve a oportunidade de treinar recentemente.  Porém, há coincidências que são reveladoras logo à partida. Não é que no mesmo dia em que o treinador do Sporting resolveu falar do Capitão do Benfica, O Jogo também traz à baila o mesmo assunto?  Aqui está a estratégia do trinca-bolotas em todo o seu esplendor. Como no ano passado. Tentativa de destabilização constante. Convém é organizarem-se melhor. A ida muito depressa ao pote pode ser denunciadora e estragar o estratagema. Contudo, já deviam ter aprendido que se a estratégia é mesma, há fortes possibilidades de dar o mesmo resultado.


JL

sexta-feira, 2 de setembro de 2016

UMA DIETA DE PESO


Plantel fechado, pelo menos até dezembro. Comparando o onze mais utilizado na época passada e aquele que tem jogado oficialmente, descortinamos algumas trocas directas. A maior parte por necessidade e não por opção de Vitória. Contudo, devemos refletir. Temos o Lisandro por Jardel, Semedo por Almeida, Grimaldi por Eliseu, Horta por Renato, Cervi ou Sálvio por Gaitan. Se excetuarmos o último exemplo, estamos mais tecnicistas, mas com menos força e menor peso. Talvez este facto explique a falta de controlo do jogo em alguns momentos nas quatro partidas oficiais realizadas. O Benfica ganhou três delas com margem, mas em todas permitiu largos períodos de superioridade territorial ao adversário.  

O Benfica tem no plantel quatro jogadores com peso de meio campo: Fejsa, Samaris, Celis e Danilo. Jogar a maior parte das vezes com dois deles em campo permitiria libertar um quarteto de características mais ofensivas. Neste caso, reconheço que ousadamente, proponho encostar o Pizzi. Dois extremos a apoiar os dois pontas-de-lança, neste momento Salvio, Cervi estão em melhores condições mas Carrillo e Zivkovic vão crescer certamente. Quanto a Rafa, tenho para mim que é um excelente projeto de redundância ao quase insubstituível Jonas.

JL